Conversa com Autoras e Autores

PARA ONDE VÃO A UNIVERSIDADE E A POLÍTICA DE CIÊNCIA & TECNOLOGIA NO BRASIL?

Autora e Autor: Ricardo Neder e Raquel Moraes

Resumo:

Esse pequeno livro é uma contribuição que incide diretamente na questão de como a universidade tem papel chave na formulação e na condução da política de C&T (Ciência & Tecnologia) para assegurar a democratização de acesso e produção de conhecimento pelas novas ciências. Sem pretensões de originalidade, apresenta uma abordagem necessária e indispensável oriunda de correntes sociológica, da análise de políticas e da economia política vinculadas aos Estudos CTS (Ciência, Tecnologia, Sociedade). A elas associamos as correntes de política e filosofia da Educação CTS de Ciências para criação de programas C&T (diverso do atual) para inclusão sócio-produtiva.

Intercultural Communication and Science and Technology Studies

Coordenadores: Luis Reyes-Galindo e Tiago Ribeiro Duarte

Resumo:

This timely and engaging book addresses communicative issues that arise when science and technology travel across socio-cultural boundaries. The authors discuss interactions between different scientific communities; scientists and policy-makers; science and the public; scientists and artists; and other situations where science clashes with other socio-cultural domains. The volume includes theoretical proposals of how to deal with intercultural communication related to science and technology, as well as rich case studies that illustrate the challenges and strategies deployed in these situations. Individual studies explore Europe, Latin America, and Africa, thus including diverse Global North and South contexts.

PSICOLOGIA, TECNOLOGIA E SOCIEDADE: CONTROVÉRSIAS METODOLÓGICAS E CONCEITUAIS PARA UMA ANÁLISE DAS PRÁTICAS DE SUBJETIVAÇÃO., v.1. p.552

Coordenadores: FERREIRA, ARTHUR ARRUDA LEAL, MOLAS, ADRIANA., MADARIAGA, JIMENA. CARRASCO.

Resumo:

O objetivo deste livro é estudar algumas práticas psicológicas em distintos arranjos locais, notadamente na comparação de sua disseminação em países latino-americanos e os ditos “periféricos” na produção de conhecimentos e técnicas psicológicas. Esta análise não envolve a avaliação destas práticas em torno de sua eficiência ou ideologia como tradicionalmente é feito, mas dentro de uma rede sócio-técnica ao modo dos recentes Estudos em Ciência, Tecnologia e Sociedade (CTS). Assim a expectativa desta abordagem é não apenas descrever as múltiplas condições históricas seu surgimento, como igualmente seus modos de tradução e disseminação locais, as formas como circunscrevem comunidades técnico-científicas em tornos destas técnicas, o modo como arregimentam interesses institucionais, e os meios com que se relacionam com seus pesquisados, clientes e pacientes, produzindo ao fim uma “cultura local”, com efeitos coletivos e subjetivantes.

BÍOS E TECHNÉ: ESTUDO SOBRE A CONSTRUÇÃO DO SISTEMA DE BIOTECNOLOGIA PERIFÉRICO

Autor: Fabrício Monteiro Neves

Resumo:

A ciência na modernidade se diferenciou da sociedade ao centralizar, como uma atribuição própria, a produção da verdade – tudo o mais em seu interior passa a depender dessa função social. Argumenta-se, no entanto, que tal função foi superada nas áreas de investigação de fronteira, como a Biotecnologia. A ciência, nesse âmbito de investigação, altera, de maneira radical, sua função em decorrência da relação que historicamente a Biotecnologia estabeleceu com a sociedade. A tecnologia é horizonte da ciência atual e o funcionamento o que a estrutura.

História das ciências: uma história de historiadores ausentes. Precondições para o aparecimento dos science studies.

Autor: Carlos Alvarez Maia

Resumo:

Esta obra focaliza os principais eventos historiográficos do século XX, situados entre as décadas de 1920 e 1970 e dedicados aos estudos das atividades científicas dos pontos de vista histórico, sociológico e filosófico. Sob o manto do cientificismo, esses estudos alimentaram o afastamento da história das ciências das abordagens efetivamente histórico-sociais. Ao fim desse período, ocorreu um movimento de rebeldia nos trabalhos sociológicos: registrou-se uma clivagem acentuada na historiografia, com o nascimento dos science studies, que conduziram os estudos de ciência para o domínio das ciências sociais. Tendo como meta investigar a atividade científica como produto sócio-histórico, o texto interessa a filósofos, sociólogos, antropólogos, historiadores e a todos aqueles que se dedicam à análise da produção científica.

A edição de 2013 está esgotada na EdUERJ, ainda sendo encontrada em livrarias. A edição de 2017, e-book, pode ser encontrada em SciELO Books (books.scielo.org).

História, ciência e linguagem: o dilema do relativismo-realismo.

Autor: Carlos Alvarez Maia

Resumo:

Nem realismo, nem relativismo. Esse livro mostra como fazer uma história da ciência realista e relativista, uma história da ciência com sujeito e com objeto. O conhecimento não decorre só do objeto, da natureza, o sujeito humano é parte essencial da produção dos saberes. Para vencer a alternativa entre realismo e relativismo e ultrapassar a dicotomia sujeito-objeto convoca-se um terceiro elemento: a linguagem. Com a linguagem, com a percepção do sujeito histórico e com o objeto natural forma-se um trio capaz de produzir os agenciamentos produtivos. O foco desse livro encontra-se justamente na agência simbólico-material como explicação tanto para a história como para a ciência. O rigor da análise apresentada deve-se ao seu alinhamento com Fleck e com a semiologia e obedece à proposta pragmática que orienta uma teoria da prática. O resultado dessas análises renova as perspectivas histórico-sociológicas que emergiram dos science studies da década de 1980.

Conflitos ambientais e controvérsias em ciência e tecnologia

Organizador: Jalcione Almeida

Resumo:

A primeira parte do livro, dedicada aos Conflitos Ambientais, conta com capítulos sobre disputas envolvendo grandes projetos de desenvolvimento na América do Sul. Assinam textos nesta seção os pesquisadores Lorena Cândido Fleury, Otávio do Canto, Yara Paulina Cerpa Aranda, Patrícia Binkowski, Adriana Paredes Peñafiel e Márcio Zamboni Neske. Já a segunda parte tem como foco Controvérsias em Ciência e Tecnologia, eixo a partir dos qual os autores exploram diferentes questões ambientais contemporâneas e repercutem o próprio fazer socioantropológico. Esta seção conta com capítulos produzidos pelos pesquisadores Cleyton Gerhardt, Felipe Vargas, Felipe Vianna Mourão Almeida, Rodrigo Ciconet Dornelles,  Adriano Premebida, Fabrício Monteiro Neves e Frederico Monteiro Neves. O livro “Conflitos ambientais e controvérsias em Ciência e Tecnologia” é fruto de uma parceria entre o CNPq, a Editora da UFRGS, os Programas de Pós-Graduação em Desenvolvimento Rural (PGDR) e Sociologia (PPGS), ambos da UFRGS, e o TEMAS.

Sociedade, Conhecimentos e colonialidade. Olhares sobre a América Latina

Organizadora: Maíra Baumgarten

Autores: Fabrício Neves, Anete Ivo, Adelia Ribeiro, Fernanda Sobral, Hernán Thomas, Hugo Cardenas, Luca Becerra, Mechelangelo Santoro Trigueiro, Paulo Henrique Martins e Silvi Lago Martinez

Resumo:

O livro Sociedade, Conhecimentos e Colonialidade. Olhares sobre a América Latina, organizado por Maíra Baumgarten, conta com a participação de pesquisadores brasileiros, argentinos e chilenos e nos apresenta um cenário de estudos sobre fenômenos que marcam a sociedade contemporânea e, especialmente, seus impactos sobre a sociedade latino-americana vista como um espaço com características específicas tanto no âmbito da construção de conhecimentos, quanto em termos de potencialidades transformadoras.